MENU

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017


Resenha "Diário de Busca"Livros, a Janela da Imaginação.






Classificação

Informações do livro
Titulo: Diário de busca
Autor/a: W. Souza
Editora: Chiado
Gênero: Literatura nacional/Ficção
Livro enviado para resenha com autor W. Souza.
O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.
Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente.
Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.
Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição.


Resenha Diário de busca

Recebi esse livro em parceira com os autores Wolnéia Sousa e Wânio Souza que são irmãos e lançaram o livro pela editora Chiado, a premissa do livro chamou a minha atenção e foi uma leitura muito interessante.

A história começa com Leopoldo Di Carli na década de 20 em Roma, um garoto muito amado por seus pais, um pai médico dedicado e sua mãe dona Leopoldina que trabalhava em uma biblioteca, local onde Leopoldo passava horas perdidos nos livros, quando não estava se divertindo com seus amigos. Seu passatempo preferido era ir na biblioteca e mergulhar nas páginas do livro onde seu fascínio pelas civilizações antigas ele alimentava um sonho de ser arqueólogo e poder pesquisar mais a respeito.


Tudo parecia tranquilo, até que um dia seu pai adoece e vem a falecer, e a rotina na casa muda totalmente, mãe e filho ficam abalados com a perda, Leopoldo muda seu comportamento, antes era um garoto alegre e cheio de vida, e agora se tornou um garoto recluso, que não ligava mais para os amigos e que buscava refúgio nos livros, assim sua admiração por arqueologia fica mais evidente, e sua mãe se assusta com seu comportamento e descobre uma coleção de pedras em seu quarto, ela não aceita o fato que Leopoldo amava arqueologia, e transtornada manda o filho para um internato onde padre Hélio fica responsável para colocar ele na linha.


Esse período que fica longe de casa, ele sofre os piores castigos, sua mãe desconhece totalmente o mal tratos que ele sofria, mas Leopoldo é um garoto forte, e para agradar a sua mãe ele aceita estudar para ser um sacerdócio. Anos se passam ele está mais velho, seu retorno para casa e o perdão entre mãe e filho não o faz desistir de ser um grande arqueólogo, e após a morte de sua mãe ele começa suas viagens e pesquisas ao redor do mundo sempre à procura de respostas por tudo que ele via e documentava a cada expedição.


Assim conhecemos uma história que atravessa gerações, Leopoldo se torna um homem importante, se casa, tem um filho, neto, e convive com perdas irreparáveis no decorrer de sua jornada. Mas ele é uma pessoa forte, determinada a descobrir as mensagens ocultas que ele descobre em cada viagem, ele relata tudo isso a sua querida esposa Layla que sempre o apoiou, seus grandes amigos que sempre acreditaram em suas palavras. E mesmo depois de tantas perdas e tragédias ele tem o consolo de ter seu neto Antônio Di Carli ao seu lado.


Diante dos estudos que seu avô realizou em suas viagens ele faz uma grande descoberta, Leopoldo já está com idade avançada, mas sabe que seu sonho não irá morrer, Antônio Di Carli será a pessoa que continuará o sonho e a determinação do avô.

O começo dessa história é um relato feito por Leopoldo de Carli, portanto teremos pouco dialogo, no entanto, a narrativa detalhada de forma sutil dos autores torna interessante a história de vida desse personagem, uma pessoa inteligente e determinada. Conforme os anos se passam percebi a evolução das décadas, os assuntos relacionados a arqueologia e ufologia são descritas de uma forma a ilustrar uma fantástica história sobre vida extraterrestre, os sinais recebidos das civilizações antigas e descobrir o rumo certo para saber se existe vida em outros planetas.


É um livro que me surpreendeu em vários aspectos, um livro feito as duas mãos muito interessante, que mescla momentos de calmaria no início do livro para momentos de ação no final, com novos personagens inseridos na história a medida que os anos se passam. Não economizam nos detalhes técnicos para ilustrar a narrativa, e foram bem sucintos ao passar ao leitor a visão de uma história de descoberta. Um livro que mescla ficção cientifica e romance de forma crível, cenas descritas com ação e emoção que me deixou muito satisfeita com essa leitura. O final da história passa uma mensagem muito importante, sobre evolução dos seres humanos, o criador do universo e de como ainda não estamos preparados para descobrir os mistérios que o universo contém.


Mostra como ainda temos que evoluir como pessoas, lidar com sentimentos mais profundos e ter discernimento que uma evolução exige que todos se unam e queiram o melhor para os seus semelhantes, é o tipo de leitura que te faz refletir.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016






RESENHA #20 - ”DIÁRIO DE BUSCA” (LITERATURA NACIONAL) - W-SOUZA
LIVRO:”DIÁRIO DE BUSCA” (LITERATURA NACIONAL)

COLEÇÃO: VIAGEM NA FICÇÃO

AUTOR(es): W-SOUZA

EDITORA: CHIADO

PÁGINAS – 338

1ª  EDIÇÃO 2015

CATEGORIA: FICÇÃO

ASSUNTO: FICÇÃO

ISBN: - 978-989-51-4106-7







CITAÇÃO:” O ponto em comum encontrado nos mapas era uma incógnita, só poderia ser desvendado com ajuda de um telerscópio potente, e com alta tecnologia” (pág. 122)

ANÁLISE TÉCNICA:


-CAPA-

Toda cinza e preta como se fosse uma placa de ferro com parafusos.

Tem o significado coerente com o enredo, embora seja uma capa simples e sem muitos atrativos.

Feita por Vasco Lopes.


(nota:3,00 de 5,00)



-DIAGRAMAÇÃO:

As letras são pretas e um pouco abaixo da média, e as folhas amareladas.

Conteúdo: dedicatória; poema; capítulos curtos e apenas com títulos.

A diagramação é simples, no entanto eficiente e eficaz.

Composição gráfica: Maria do Rosário Costa – Departamento gráfico.

Impressão e acabamento: Chiado Print.

(nota:4,50 de 5,00 )



- ESCRITA:

Narrativa descritiva em 3ª pessoa e diálogos dinâmicos, mostrando a abrangência de todos os pontos de vista, tanto do enredo como das personagens.

Escrita fluida, coerente, instigante e evolutiva ao decorrer de todo o livro.

Sem erros gritantes e revisão quese perfeita.

Revisão de W-Souza.


(nota:4,90 de 5,00)



CITAÇÃO: “Contudo depois de dois anos em uma estrutura metálica pressurizada no meio do nada e a milhares de quilômetros de casa, os conceitos acabam mudando. A solidão e a carência começam a tomar conta e inevitavelmente algumas paixões tendem a aflorar. E quem quer controlar o coração, quem não quer viver uma paixão? Ah... O amor... O amor não escolhe data ou lugar, captura os corações sem autorização, ou aviso prévio.” (pág 183)

RESUMO SINÓPTICO:

Leopoldo Di Carlli sempre foi uma criança querida na escola, na vizinhança e na família. Tinha carisma e conquistava a todos com seu jeito educado. Sua maior paixão eram os livros, sempre gostou de ler e se perdia por horas na biblioteca e por vezes se atrasava para chegar em casa.

Dona Leopoldina era uma mulher simples e elegante. Trabalhava na biblioteca, era vaidosa e sempre estava atarefada, porém encontrava tempo para paparicar o filho Leopoldo. Moravam em Roma e tinha como hobby: cozinhar.

Leopoldo crescia e logo tornou-se um ‘homenzinho’. Na biblioteca descobriu um livro sobre civilizações antigas e encantou-se, passou a estuda-las, inclusive as civilizações extintas.

O Sr. Di Carlli era médico renomado, alto e corpulento, também vaidoso, sempre perfumado. Amava passar os finais de semana com Leopoldo, brincavam e se divertiam. Até que o Sr. Di Carlli contraiu varíola e veio a falecer...

A Sra. Di Carlli mudou totalmente, não cuidava mais da casa, nem do filho, os traços da dor, estampados em seu rosto não mais vaidoso. Leopoldo mudou também. Não era mais o menino ativo e alegre, não procurava mais os amigos para brincar e passou a ler cada vez mais. Aos 14 anos tornara-se um menino calado e triste.

Leopoldina era católica fervorosa e passou a monitorar as leituras do filho e estranhou que não eram sobre catolicismo... Ela queria que ele se tornasse padre. Acabou o internando em um colégio onde os filhos problemáticos eram levados. Leo para não desagradar a mãe, permaneceu lá, apesar de todos os maus tratos. Escondia da mãe e de todos sua paixão pela arqueologia.

Foi descoberto os maus tratos no colégio e a mãe para compensar Leo, passou a ‘bancar’ viagens nas férias para que o filho conhecesse o mundo e compensasse todo sofrimento que tinha passado, embora tivesse o desejo de que ele se tornasse padre.

D Leopoldina morre e Leo acabava vendendo todos os bens da família para ir em busca de seus sonhos, fazer viagens de conhecimento por todo o mundo... E em uma dessas viagens, percebe que o universo é maior do que a própria terra!!



ANÁLISE CRÍTICA E DO(s) AUTOR(es):

Para quem como eu gosta de ficção, vai simplesmente adorar esse livro.

Pelo resumo, pode parecer que o livro nada tem a ver com ficção, porque afinal, é preciso primeiro mostrar de onde tudo se iniciou, a formação das personagens e suas origens para que se chegue ao âmago do enredo. Entretanto, o livro é uma ficção muito bem escrita e evolutiva, que passa por várias gerações da família Di Carlli até a conquista do universo.

O que mais gostei, além da ficção é claro, é a forma como os autores mostram que a família é bem estruturada e cheia de amor em suas várias gerações, o que não dá motivos para pensarmos que o fato da existência de outros planetas, ser observação de pessoas desestruturadas.

É uma ficção amarradinha do início ao final e totalmente envolvente.

Claro que em algumas situações extrapolou um pouco a criatividade, e algumas situações que se pensarmos direitinho, talvez não pudessem ocorrer de forma tão perfeita, e esse é o único ponto questionável do livro. Mas, como nada é perfeito, porque aqui seria? Sem contar que é ficção, embora seja bem crível os acontecimentos na maior parte do tempo.

O que sei é que embarquei de cabeça na aeronave “Diário de busca” e não me arrependi um momento se quer. Foi uma leitura interessante, que agregou conhecimento e sentimentos. E ainda tem romance gente, bom demais.

Recomendo a leitura.

NOTA : 4,70 de 5,00





SOBRE Os AUTOR(es):



W-Souza
Wânio Souza é brasileiro, nascido no Sul do Estado de Santa Catarina. Mudou-se para a capital Florianópolis ainda criança, onde vive radicado até os dias atuais. Pai de uma jovem leitora de oito anos, é amante das artes e esportes aquáticos.



Wolnéia A. Souza é brasileira, nascida em Lauro Müller, mora atualmente no balneário de Praia de Fora, Sul de Santa Catarina. É mãe de três adolescentes. Do signo de peixes, tem como características fortes ser sonhadora e romântica. Suas maiores paixões são a literatura e a dança.

LIVRO CEDIDO PELOS AUTORES.

CHEIRINHOS
RUDY



terça-feira, 16 de agosto de 2016



Resenha Diário de Busca


Oi meus amigos queridos, trago nesse momento aqui no Jornal Literatura & Cia a resenha de uma obra que me deixou maravilhada ‘‘Diário de Busca’’, dos irmãos W.Souza, vamos conhecer essa obra maravilhosa.

Diário de Busca
Autor: W-Souza
Data de publicação: Outubro de 2015
Número de páginas: 342
ISBN: 978-989-51-4106-7
Seleção: Viagens na Ficção
Gênero: Ficção


Sinopse:O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.

Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente.
Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição. 

Resenha
Diário de Busca é um livro escrito pelos autores Wânio Souza e Wolnéia Souza, da editora Chiado. É narrado em 3° pessoa e divididos em vários capítulos.A historia se inicia em Roma, mais com os acontecimentos o cenário transforma e passa por vários locais.
O livro conta a historia de Leopoldo, um garoto que desce criança gosta de ler, isso é maravilhoso demais acredito que seja o terceiro livro que leio que de inicio uma criança ama ler.
Esse livro se fez surpreendente em diversos pontos, os elementos colocados na ficção pelos autores e apresentados aos leitores, estão na dosagem certa. Juro por Deus esse livro merece ser lido para as crianças para deixar a imaginação deles voarem passearem.Levo em consideração que essa obra pode se transformar em dualogia, se não  houve algo revelado ou explicado nesta obra com certeza terá nas próximas obras desses autores maravilhosos.Mais vou ressaltar que, não há buracos no decorrer do livro.Com certeza há inicio,meio e fim que para mim foi muito bem definidos.

‘’Uma mãe por seu filho
Atravessa o horizonte
Suporta as dores do caminho
Para chegar ao seu alcance
Uma mãe por seu filho
Pode mudar ações
Pode rever ideias
Pode mudar convicções
Uma mãe por seu filho
Esta com ele onde estiver
Sejam quais as escolhas
Em que caminho estiver. ’’

Vou destacar aqui o tipo de escrita usado pelos autores nessa magnífica obra, que para mim foi maravilhosamente suave, a narrativa volto a repetir é em 3° pessoa tem um estilo literário formal e tranquilo em nenhum momento vi xingamentos e isso foi um ponto positivo olha livros sem palavrões ganhou pontos comigo. A narrativa, em nenhum momento, deixou de ser fluida.Os autores foram bem objetivos durante a historia, sem aquelas enrolações chatas que existe em alguns livros que nossa dar desanimo, esse livro foi e é demais amei.

Os personagens têm forma física e alma não aparições, superficiais. Eles não deixam os leitores com a sensação de inexistência durante a leitura.

Diário de busca o livro perfeito para quem busca aventura,drama, e varias historias de amor os autores conseguiram envolver todas essas características em uma leitura detalhada e prazerosa sem se tornar chato.

Minha opinião: o LIVRO Diário de Busca é um livro perfeito para se tirar uma lição de vida, pois o Leopoldo mostra como podemos domina as perdas as magoas, apesar dele esta frustrado com certeza ele passo força para aqueles que leram, nos dar animo para seguir nosso caminho, fiquei muito triste em alguns capítulos que onde existiram perdas, perdas essas que são muito dolorosas. Cada capitulo eles nos prende com sua sabedoria e drama claro,mais é um tipo de livro que não rolou nenhuma maresia sabe foi tudo no seu tempo.Teve momentos que me sentia no meio dos personagens pois sou muito emotiva e a vontade de abraçar aquele personagem que estava sofrendo era muito grande.Foi uma leitura demorada mais prazerosa eu me sentir na vontade de ler a continuação.Os autores conseguiu transmitir emoções no tempo certo e de uma forma clara e fez refletir algumas questões e tenho certeza fará outras pessoas refletir também.

Quanto à qualidade do material em que essa obra magnífica foi produzida, a capa é chamativa é lataria de uma espaçonave isso me atraiu muito, quanto às folhas são grossas tipo ásperas mais adorei por assim não dar para ver o que esta escrito do outro lado da folha e são amareladas livros assim é mais fácil de ler praticamente folhas brancas ofusca muito e repuxa bastante das vistas, tamanhos da fonte foram tranquila. Só tenho uma dica acho que os autores como pois o nome Diário de Busca deveria ter uma data em cada capitulo ficaria bem bacana.Esse livro se teve erros ortográficos passou despercebido e também não tenho muito do que me de me queixar com relação a isso.Os autores foram maravilhosos nessa obra obrigada pela parceria Esse livro merece 10 então dou cinco aqui no blog e mais cinco no skoob.


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A Magia Real

Diário de Busca - W-Souza.


*Parceria com Autores*

Adicione no Skoob

Título: Diário de Busca
Autor/a: W-Souza
Editora: Chiado
Páginas: 342

Sinopse: O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.
Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente.
Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.
Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição.

****************

Uma leitura que nos conta a história de algumas gerações, começa com o sonho de um jovem de se tornar Arqueólogo, quando na verdade a mãe quer que ele siga o sacerdócio. Nada contra os desejos que os pais querem que seus filhos cumpram, mas achei um pouco exagerada a mãe dele, mandá-lo para um internato só porque ele colecionava pedras. E a maneira com que ele foi tratado por lá, me deixou triste de pensar que realmente lugares assim existiram, até quem sabe ainda existam.

No entanto Leopoldo não é de se abalar, ele faz o que a mãe deseja, mas não desiste de seu sonho. E a persistência dele é o que nos motiva a ler página, após página. Seu sonho e desejo são tão fortes, que por mais que tudo seja sempre adiado, ele segue adiante.

Conforme Leopoldo vai perdendo seus entes queridos, seu neto é alguém que ele vai ajudar e muito. Alguém que ele poderá passar seu legado e a naturalidade com que isso ocorre é tão simples e complexa ao mesmo tempo que nos perguntamos, como chegamos a uma viagem no espaço com tantas complicações e se seria possível todo esse universo que foi criado.

A leitura é leve, quando Tony neto de Leopoldo, descobre o "Pérola Negra" e decide se dedicar para dar seguimento ao projeto do avó, sabe que terá um caminho longo a percorrer, o que ele nem imagina é que ele faz parte do grande jogo do destino, nada é por acaso. 

Nessas páginas encontramos um pouco de tudo, sonhos, amores, inveja, ódio, tristezas e claro alegrias. Afinal nem todo ser humano é racional e está pronto para evoluir, por isso o receio de muitas vezes tudo ser tão oculto da população. Muita gente não lida bem com o novo e acaba metendo os pés pelas mãos. Houve uma parte na obra, onde certo personagem pergunta se ele confiava nos outros de sua raça. E sinto dizer, mas conhecendo o mundo como é até agora, eu também não confiaria em ninguém. 

E como dizem, se as pessoas são evoluídas não precisam de provas e sim acreditar na palavra de quem está contando os fatos. Fiquei tão impactada com essa cena, que fiquei me perguntando quem confiaria cegamente nos dias atuais em uma simples história. No momento só posso lhes dizer que somente um sonhador. Porque uma pessoa pode ser tachada de louca, dependo do que falar. Mas até onde cada um está disposto a acreditar?

Sei que entro demais nas histórias que leio, mas é impossível não sonhar e imaginar tudo que li. Porque o que nós hoje queremos é isso, alguém que corra atrás dos próprios sonhos, que seja crente no que faz e que o reconheçam por ser quem é. O amor, a amizade e os problemas são partes da vida, a questão é como cada um vive a sua.

Eu recomendo a leitura e mesmo pensando que a obra poderia ser uma série de alguns livros, me contento em preencher as lacunas com a minha imaginação e somente curtir tudo que vivi. Agradeço o contato dos autores e só posso lhes desejar um baita sucesso.


segunda-feira, 4 de julho de 2016



Resenha: Diário de Busca

O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.
Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente.
Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.
Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição.



Diário de Busca foi um livro que eu recebi do autor, e que já está há algumas semanas em minha estante. Devido ao tempo, eu acabei demorando para fazer essa leitura, mas enfim chegou a vez de eu poder me aventurar nesta expedição e conhecer todos os segredos desta história.

Antes de eu falar tudo o que eu achei do livro, gostaria de citar para vocês, minha frase favorita do livro: “ A vida apresenta, diante da tragédia, situações adversas. Cabe a nós decidirmos qual caminho tomar. A única opção errada será desistir”. Eu amei a forma como o autor escreve e as mensagens que ele quer passar no decorrer da história, mesmo sendo em terceira pessoa (que é uma narrativa que eu não me dou muito bem), o livro é super fluido e leve.

Eu amei o personagem Leopoldo, achei um personagem muito doce e puro, no começo do livro vemos como ele é querido por todos, como ele trata bem as pessoas, é como se eu estivesse me vendo com aquela idade rsrs. Esse amor do Leopoldo por bússolas, mapas essas coisas, esse desejo de descobrir os segredos do universo, me lembrou aqueles filmes do Indiana Jones kkk um dos filmes que eu mais era fascinado na infância.

Amei a ambientação do livro, nunca li nenhuma história que se passava em Roma. O mais fantástico de um livro, é nele podermos viajar para lugares que só conhecemos por filmes e vídeos no youtube, conhecer culturas diferentes e visitar lugares que talvez jamais iremos conhecer um dia é maravilhoso, o livro cumpre esse proposito e nos embarca para esses lugares.

Poucos livros conseguem narrar a vida inteira de um personagem sem se perder durante a história, Diário de Busca conseguiu essa proeza, eu pude acompanhar a vida do protagonista desde a sua infância até ele ser um pai de família. Durante o livro vamos conhecendo muitos personagens que só acrescentaram mais realismo a história. O livro tem uma linguagem simples que é muito fácil do leitor entender, também traz muitas informações interessantes que só nos faz ficar mais curiosos pelo desenrolar da trama central (meu capitulo favorito Radiação magnética).

Eu recomendo o Diário de buscas para todos os leitores (principalmente para os mais curiosos). O desenrolar da história é maravilhosa, deixando o leitor viciado por seu final. Eu tirei muito proveito dessa leitura e com certeza eu pretendo ler qualquer outro livro que o autor venha a escrever. Minha única ressalva é a capa do livro, que apesar de ser uma edição muito boa, com ótima diagramação e páginas amarelas, a arte de capa acaba não atraindo a atenção do leitor. O conteúdo é o mais importante, mas uma capa com cores claras e ilustrações sempre vai atrair a atenção dos leitores quando estiverem perambulando por alguma livraria.

Gostaria de convidar a todos para adicionar o livro no seu desejados lá no skoob, e fiquem atento na fanpage do blog para futuros sorteios.